COVID-19 médicos estão relatando a escassez de medicamentos

ministro da saude

Os médicos estão relatando a escassez de medicamentos essenciais e a necessidade de racionamento de cuidados, apontando para falhas de saúde pública. Reportagem de Lise Alves de São Paulo.

À medida que o COVID-19 cresce em todo o Brasil e os hospitais públicos e privados do país estão lotados, os médicos estão tendo que lidar não apenas com as pressões do dia a dia da pandemia, mas também com a escassez de medicamentos usados ​​para intubar pacientes e esperar listas de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI).

“Aqui temos dez leitos de UTI para pacientes não COVID-19 e 20 leitos de UTI para pacientes COVID-19. 

Todos estão sendo usados ​​neste momento ”, afirma Ricardo Gargione, médico intensivista e coordenador das UTIs do Hospital Nossa Senhora dos Prazeres, em Lages, Santa Catarina.

 Dados do Conselho Nacional de Estabelecimentos de Saúde mostram que, em fevereiro de 2021, apenas 741 (13%) dos 5.570 municípios brasileiros possuíam leitos de UTI de alta complexidade necessários para pacientes com COVID-19.

De acordo com Gargione, dos 20 pacientes internados em UTI na enfermaria do COVID-19, 17 estão intubados. 

Ele diz que os médicos da UTI agora precisam lidar com a escassez de medicamentos essenciais para manter os pacientes intubados.

 “Embora nunca tenhamos realmente ficado sem os medicamentos necessários para manter os pacientes intubados, estamos sempre com muitos poucos suprimentos. Hoje [sábado], temos abastecimento até segunda-feira. Esperamos conseguir mais suprimentos até lá ”, disse Gargione ao The Lancet .

Quando os habituais sedativos, analgésicos e bloqueadores neuromusculares não estão disponíveis, diz Gargione, os médicos usam o que têm à disposição.

 “Tem dia que só temos um tipo de sedativo, ou um medicamento que não costuma ser administrado nesses casos, mas é o que usaremos”, disse.

A substituição, no entanto, não é isenta de riscos. “Com alguns desses medicamentos é mais difícil manter o paciente em um estado em que as máquinas possam fazer o trabalho com eficiência”, explica. “O corpo do paciente começa a lutar com a máquina e isso atrapalha a saúde do paciente.”

Gargione diz que os administradores do hospital estão constantemente procurando locais para comprar os medicamentos. 

“Tem sido uma batalha diária para nós. Felizmente, o estado de Santa Catarina pensou à frente e estocou alguns desses medicamentos e agora os distribui.

 É isso que está nos salvando agora”, disse. Outros estados, observa ele, não são tão afortunados.

Uma pesquisa divulgada na semana passada pela Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) do Brasil constatou que a maioria dos afiliados da associação registrou uma grave escassez de suprimentos essenciais como oxigênio, anestésicos e medicamentos para intubação para o cuidado de pacientes com COVID-19.

“Aproximadamente 11% das nossas afiliadas têm oxigênio suficiente para 5 dias ou menos e 26% têm anestésico para 5 dias ou menos”, afirma Antônio Britto, diretor executivo da Anahp.

 A entidade com 88 membros tem como afiliados alguns dos maiores hospitais de última geração do Brasil.

De acordo com Britto, a expectativa é de que a escassez perdure porque a demanda está muito grande no momento. 

“Não há solução mágica para o problema.

 Os fabricantes nacionais de medicamentos estão entregando o que podem, mas com um aumento na demanda, não há como esses fabricantes conseguirem acompanhar”, disse ele.

Lara Kretzer trabalha como médica intensivista no hospital privado Baia Sul e no hospital estadual Nereu Ramos, em Florianópolis, Santa Catarina.

Durante essa segunda onda de infecções por COVID-19, Kretzer testemunhou não apenas a escassez de medicamentos para tratar pacientes criticamente enfermos, mas também a falta de leitos de UTI para esses pacientes.

 “As coisas aqui em Florianópolis estão melhorando agora, mas em meados de março [2021] tivemos que fazer escolhas [de quem ia conseguir leito de UTI]”, disse Kretzer.

Gargione concorda, observando que, enquanto em Santa Catarina as infecções por SARS-CoV-2 estão diminuindo lentamente, no restante do país as taxas de infecção e mortalidade ainda estão atingindo níveis recordes.

 O período de espera por um leito na UTI costuma ser de 3 dias e, de acordo com Gargione, alguns pacientes morreram durante a espera para entrar na UTI. “Ao todo, 53 pessoas morreram aqui em março à espera de um leito na UTI da COVID”, disse Gargione.

Em 9 de abril de 2021, em meio a registros diários consecutivos de óbitos por COVID-19, a Associação Médica Brasileira reintroduziu as recomendações de como destinar recursos para salvar o maior número de vidas.

 O documento delineou protocolos éticos para orientar os médicos forçados a decidir qual paciente deveria receber tratamento em caso de escassez de leitos de UTI, suprimentos ou equipamentos nos hospitais. 

As diretrizes foram divulgadas pela primeira vez em maio de 2020; na época, porém, a situação da UTI no Brasil era confortável e o documento não dava muita atenção.

Figura miniatura fx1

A escassez de medicamentos e leitos de UTI para pacientes em estado crítico poderia ter sido evitada, dizem especialistas em saúde, se apenas o governo federal tivesse tomado as medidas necessárias.

 “É inconcebível [ter listas de espera].

 Ninguém que está gravemente doente pode esperar por uma cama”, disse Margareth Pretti Dalcolmo, pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Rio de Janeiro).

“O Brasil cometeu muitos erros no ano passado. 

O SUS [Sistema Único de Saúde Público] entrou na pandemia mais fraco do que deveria devido ao desmantelamento do sistema público de saúde, com falta de financiamento e esgotamento de recursos humanos”, disse Dalcolmo.

 Em meados de 2020, quando o número de infecções começou a aumentar durante o primeiro pico nacional da pandemia, Dalcolmo disse que já estava “claro que as vacinas eram a resposta”, mas a diplomacia brasileira vacilou.

O governo errou “muito” ao recusar a oferta da Pfizer de compra antecipada da vacina COVID-19, diz ela, e errou novamente quando negociou doses para apenas 10% da população brasileira no mecanismo COVAX. “Poderíamos ter negociado 20% ou até 30%, mas não o fizemos”, observou.

Embora Dalcolmo tenha opiniões fortes sobre o papel do governo federal na pandemia, ela elogia o sistema de saúde pública do país.

 “O SUS é o maior sistema de saúde do mundo. Quase 80% da população brasileira depende exclusivamente do SUS e funciona ”, disse.

De acordo com Dalcolmo, o sistema público de saúde do Brasil é capaz de vacinar mais de 80 milhões de pessoas contra a gripe todos os anos em um período de apenas 6 semanas.

 “Nós temos o know-how. Temos estrutura e logística, e o Programa Nacional de Imunizações pode vacinar até 2 milhões de pessoas por dia, mas para isso precisamos de vacinas e não temos vacinas no momento”, disse.

O SUS hoje está vacinando contra o COVID-19, diz Dalcolmo, mas a uma taxa menor do que a necessária para controlar a pandemia.

 Até o momento, pouco mais de 20 milhões de brasileiros, aproximadamente 10% da população, receberam a primeira dose de uma das vacinas disponíveis no país (CoronaVac e Oxford – AstraZeneca). O presidente Jair Bolsonaro minou repetidamente o programa de vacinação .

 “Não teremos vacinas suficientes no curto prazo”, disse Dalcolmo, prevendo um abril “trágico” no Brasil.

Pedro Hallal, epidemiologista e professor da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul, concorda. 

“Tivemos tempo para nos prepararmos, mas não o fizemos porque nosso governo nega todas as recomendações da comunidade científica”, disse. “Somos 2,7% da população mundial, mas registramos 11,8% dos casos [COVID-19] desde o início da pandemia. Na semana passada [28 de março a 3 de abril de 2021], 30% de todos os casos de COVID-19 ativos foram no Brasil”, acrescentou.

Hallal diz que o governo optou por tratar os pacientes com a doença em vez de tentar evitar que ela se espalhe.

 “[Funcionários do governo] estão adotando uma abordagem clínica e aumentando os leitos de UTI, comprando medicamentos, etc, em vez de uma abordagem populacional, que seria focar em como evitar que as pessoas adoeçam e espalhem o vírus comprando vacinas e realizando massivas teste e rastreamento de contato”, disse ele, acrescentando, “do ponto de vista da abordagem clínica, você não vai parar a pandemia”.

Além de prejudicar o programa de vacinação, Bolsonaro cometeu outros três “pecados capitais”, acrescenta Hallal. “Ele também se recusou a usar máscara em público, insistiu que seu governo promovesse medicamentos como a hidrocloroquina e a ivermectina, sem eficácia comprovada na prevenção da COVID-19, e criou uma narrativa contra o isolamento social, fazendo a população acreditar que isso arruinaria a economia.

 ”Dalcolmo destaca que as novas variantes registradas no Brasil mudaram significativamente a pandemia do COVID-19 no país. 

“Agora temos jovens necessitando de assistência médica e os hospitalizados ficando mais tempo em tratamentos médicos”, disse ela.

Os dados apresentados no Boletim do Observatório COVID-19 da Fiocruz , comparando a primeira semana epidemiológica de 2021 (3 a 9 de janeiro) com a décima (7 a 13 de março), revelam um aumento absoluto de casos de 317%.

 No entanto, quando as faixas etárias de 30-39 anos, 40-49 anos e 50-59 anos são analisadas, os pesquisadores observaram um aumento de 565%, 626% e 526%, respectivamente, sugerindo uma mudança para faixas etárias mais jovens.

“A lenta implantação da campanha de vacinação está contribuindo para prolongar a pandemia, resultando na adoção intermitente de medidas de contenção e mitigação”, afirmam os pesquisadores do Observatório responsáveis ​​pelo Boletim.

Tanto Dalcolmo quanto Hallal concordam que, para impedir a rápida disseminação do vírus, o governo federal deve emitir um bloqueio nacional e aumentar substancialmente o número diário de vacinas COVID-19 administradas. “Se atingirmos essas metas, podemos ver uma luz no fim do túnel”, disse Hallal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *